O conto do grampeador

A arma do cupido modernoReza a lenda que eu teria conquistado minha mulher com um grampeador. A sinopse da fabulosa história é mais ou menos assim: um belo dia, na assessoria de imprensa da UFRJ, rapazola sinobrasileiro arremessa referido aparelho manual em moçoila nipomineira, produzindo, como conseqüência imediata, irresistível atração.

Trata-se, meus amigos, de uma meia-verdade. Para começar, não lancei o grampeador inteiro; apenas o compartimento que contém os grampos. Para terminar, também não produzi a tal irresistível atração; fui muito mais uma vítima.

Vítima dos encantos de uma mulher linda, charmosa e inteligente. E, sobretudo, possuídora da qualidade mais imprescindível numa esposa perfeita: reconhecer e valorizar uma boa grampeada.

Brasília, agora, promete.

Anúncios

1 Response so far »

  1. 1

    André said,

    Prefiro a versão do grampeador.


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: