No vácuo

Bom dia!— Bom dia.
— …
— Tudo bem?
— …
— Obrigado.
— …

***

Eis uma peculiaridade do brasiliense que realmente me incomoda. O indivíduo chega cheio de educação para dar e sai ensurdecido pelo silêncio do interlocutor. Os mais sortudosinsistentes ainda conseguem arrancar um grunhido como resposta. Grouf. A maioria, porém, fica no vácuo. Dizem que não é por mal, e eu até acredito, embora continue achando que por bem também não haja de ser.

Anúncios

6 Respostas so far »

  1. 1

    daniel said,

    pior é em sp, que o cara responde: uoba. é uma mistura de opa, oi e eai…
    mas, olha, a tática é fingir que nem conhece ou so balaçar a cabeca como se tivesse dizendo sim. se a pessoa responder com gesto semelhante, dá para emendar um ‘tudo bem?’. e acaba ai!

  2. 2

    gerson said,

    Cada lugar desenvolveu formas de relacionamento humano diferentes. As pessoas travam contatos de maneiras diversas, e aí que a gente custa a se acostumar quando muda de cidade ou região.
    Tb sinto esse choque, mesmo conhecendo Florianópolis a tanto tempo. Aqui as pessoas evitam maiores contatos no início. Preferem estudar o interlocutor, de preferência mostrando uma clara indiferença inicial. Depois podem até acostumar-se com a nova pessoa, aos poucos estreitando a relação.
    Para um gaúcho entender esse temperamento não é fácil. É um choque cultural muito grande. O gaúcho, via de regra, é expansivo e alguns chegam a ser chatos por isso.No Rio Grande é normal o sujeito te conhecer e já sair conversando a rodo, especialmente se houver um chimarrão, que na verdade é o maior mecanismo de facilitação da comunicação existente no RS, na Argentina e no Uruguai.
    Ah, obrigado pela visita ao blog. Volte sempre. E sem dúvida que o festejo foi em um CTG, hehehe

  3. 3

    ReMoTa said,

    Bem… não sei se é uma peculiaridade de Brasília, não. Ultimamente, tenho achado as pessoas bastante mal-educadas. Em várias cidades, por sinal.
    Em Salvador, algumas pessoas não respeitam os limites dos outros.
    No Rio, vi alguns exemplos de quem se acha mais esperto do que os outros, querendo levar vantagem em tudo.
    Em São Paulo, volta e meia eu me deparo com gente que finge não enxergar os outros: atropela, passa por cima, pisoteia… mas não desvia do caminho. Pedir desculpas? O que é isso?
    Concordo com você quando diz que a gente fica muito no vácuo. Às vezes acho que sou anormal, porque cumprimento as pessoas. Mas (in)felizmente isso não se aplica apenas no quadradinho.

  4. 4

    rchia said,

    Gerson,
    Já me falaram dessa característica do catarinense. O que me incomoda mais não é a pessoa ser fechada, mas sim beirar a falta de educação.

    Remota,
    Bem, é claro que existem vários modos de se expressar. Agora, no quesito, NÃO se expressar, com certeza o brasiliense leva vantagem.

  5. 5

    […] passo, de modo constrangedor, para pegar o elevador sozinho. Saudações vazias, como “oi”, “bom dia” e a desprezível “tudo bem?”, são ignoradas, numa busca devotada por significação no […]

  6. 6

    […] de fim de semana. O altruísmo como inclinação inescrutável. A fé. Virtude de quem não diz bom dia. Um leão em esconderijos. Gostar disso:GostoSeja o primeiro a gostar disso […]


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: