Archive for outubro, 2009

Viajou

Preparando-se para as hordas de turistasNada de Rio de Janeiro, Salvador ou Fortaleza. Nem de Amazônia, Pantanal ou Cataratas. Nos próximos meses, o tema do estande brasileiro nas principais feiras de turismo do mundo será a cinqüentona Brasília, com destaque para sua arquitetura modernista. Marcado por curvas, o espaço invoca o estilo de Oscar Niemeyer, além de pôr em destaque imagens da Catedral e do Congresso Nacional, deixando lugares insossos como Fernando de Noronha e Bonito em segundo plano. “Não poderíamos deixar passar esta oportunidade de divulgar Brasília mundialmente, aproveitando o aniversário de 50 anos da capital do país”, explicou Jeanine Pires, presidente da Embratur.

O novo estande estreará no World Travel Market, de 9 a 12 de novembro, em Londres, e depois viajará para Buenos Aires, Barcelona, Lisboa, Madri e Berlim. Um itinerário quase tão interessante quanto Brasília.

Anúncios

Comments (4) »

Cartel general (II)

RemarcandoRevoltados com as espúrias acusações de que manteriam, por combinação, o preço da gasolina a R$ 2,67, os donos de postos de Brasília decidiram mostrar nas bombas a lisura do negócio. Desde esta semana, o combustível custa R$ 2,74, em todos os estabelecimentos. Num esforço comovente, os probos comerciantes ignoram as diferenças de custos entre si, apenas para proporcionar ao freguês a conveniência de saber com antecedência quanto vai gastar para encher o tanque.

Por isso, e só por isso, os 38 postos de Brasília pesquisados pela Agência Nacional de Petróleo na semana de 18 a 24 de outubro (pré-aumento) registraram um preço médio de R$ 2,68, com variação de apenas 5 centavos entre o menor e o maior, enquanto os 60 postos visitados na distante Goiânia tiveram um preço médio de R$ 2,57 e variação de 14 centavos. Detalhe: o valor médio cobrado pelas distribuidoras nas duas cidades é praticamente igual.

Aos paranóicos que, a despeito das evidências, continuam achando que existe um cartel em operação por aqui resta procurar os órgãos competentes: ANP (0800-970-0267), Secretaria de Defesa Econômica (SDE) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Quem chegar ao cúmulo de imaginar que se trata de crime contra a ordem econômica pode, ainda, acionar o Ministério Público.

Comments (2) »

Candango, calango e beija-flor

A festa já tem sambaNão poderia haver melhor definição para o brasiliense. Ou poderia. De qualquer maneira, o fato é que o Grêmio Recreativo Escola de Samba Beija-Flor escolheu, esta semana, o samba que conduzirá seu desfile no Carnaval do Rio em 2010, com o sintético enredo “Brilhante ao sol do novo mundo, Brasília do sonho à realidade, a capital da esperança”.

Venceu a composição de Picolé da Beija-Flor, Serginho Sumaré, Samir Trindade, Serginho Aguiar, Dílson Marimba e André do Cavaco. Três outros sambas participaram da finalíssima, nenhum proveniente de Brasília, embora os dirigentes da escola sempre tenham acreditado (aham!) na possibilidade.

O secretário-adjunto de Cultura do Distrito Federal, presente à festa em Nilópolis, declarou que a Beija-Flor levará um grande desfile à Sapucaí. Já a escola só sabe de uma coisa: o Governo do Distrito Federal levará um caminhão de dinheiro a Nilópolis.

Dádivas o criador concedeu
Fez brotar num sonho divinal o mais precioso cristal
Lágrimas, fascinante foi a ira de Tupã
Diz a lenda que o mito Goyás nasceu
O brilho em Jaci vem do olhar
pra sempre refletido em suas águas
A força que fluiu desse amor é Paranoá, Paranoá
Óh! Deus sol em sua devoção
Ergueu-se no Egito fonte de inspiração
Pássaro sagrado voa no infinito azul
Abre as asas bordando o cerrado de norte a sul

Ah! Terra tão rica é o sertão
Rasga o coração da mata desbravador!
Finca a bandeira nesse chão
pra desabrochar a linda flor

No coração do brasil, o afã de quem viu um novo amanhã
Revolta, insurreições, coroas e brasões
batismo num clamor de liberdade!
Segue a missão a caravana em jornada
Enfim a natureza em sua essência revelada
firmando o desejo de realizar
A flor desabrochou nas mãos de jk
A miscigenação se fez raiz
com sangue e o suor deste país
Vem ver… A arte do mestre num traço um poema
Nossa capital vem ver …
Legião de artistas, caldeirão cultural!
Orgulho, patrimônio mundial

Sou candango, calango e beija-flor!
Traçando o destino ainda criança
a luz da alvorada anuncia!
Brasília capital da esperança

Comments (2) »

Heresia imobiliária

Seriam os imóveis medíocres?Os jornais do Distrito Federal, por razões estritamente jornalísticas, não são muito chegados a questionar o miraculoso mercado de imóveis local. Por isso, tomei um susto ao ler no Correio Braziliense, como “palavra do especialista” em matéria sobre novas tendências de investimento, a atípica opinião de Roberto Piscitelli, economista, professor da Universidade de Brasília (UnB), e ex-presidente do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal:

Eu vejo isso (o avanço dos investimentos em imóveis nas cidades do DF e Entorno) com muito ceticismo. E há também um pouco de caráter de bolha nessa história. Muitas pessoas de classe média investiram, por exemplo, em Águas Claras, apostando no futuro, e hoje têm dificuldade de se desfazer dos imóveis e recuperar o dinheiro aplicado. Há uma certa histeria em torno desses lançamentos cheios de propaganda fora do Plano Piloto. O indivíduo precisa avaliar bem as opções e as perspectivas. Investir em imóveis é um hábito que o brasileiro adquiriu por causa dos 40 anos de inflação, mas não é algo comum em países mais desenvolvidos. O mercado de Brasília tem suas peculariedades, pode dar certo em alguns casos. Mas a aplicação em imóveis é, em geral, uma aplicação medíocre do ponto de vista da rentabilidade. Muita gente esquece que não é fácil administrar um imóvel e que a relação com os inquilinos costuma ser complicada. Além disso, muitos, ao invés de lucrar, fazem dívidas por conta da alucinação em torno desse tipo de investimento.

Imóvel, uma aplicação medíocre? Quem soltou esse louco?!

Comments (1) »

Insetos me mordam

Foto de delegaciaPrimavera: época de intenso contato do brasiliense com a natureza. Um freguês desvia-se dos besouros à mesa do bar, uma moçoila destemida caça cigarras na sala de aula, um casal desdobra-se para proteger os pratos das moscas que tomam de assalto o apartamento. Mas nada – nada – se compara à interação do pobre estudante de direito com um inseto não-identificado, que, em plena prova de Contratos, realiza um vôo rasante, de ponto desconhecido ao lábio inferior do incauto examinando. Um instante para retomar o rumo e, então, vida que segue:

“A adulabilidade dão bem eveito andes de julbada por zendenza…”

Comments (1) »

Segunda no parque

Carne em frenteDeve ser o tempo amolecendo o coração. Não só o coração, como também a picanha, a maminha, a alcatra, a costela e a lingüiçafraldinha. No início, o Parque da Cidade*, a exemplo da, ahm, cidade que o abriga, parece carecer de vida. É carro demais, bicicleta importada demais, iPod demais, para riso, burburinho e agitação de menos. Tudo muito certinho – e sem graça.

Mas, de repente, o sujeito vê a fumaça empesteando o ar, as garrafas pet se multiplicando sobre as mesas, as crianças correndo descontroladas, isopores, pratos plásticos, toalhas. O mundo gira, a lusitana roda, e a carne exala aquele cheirinho capaz de levantar defunto, parar o trânsito e arrepiar os cabelos. Até dos brasilienses.

Nada de pistas, ciclovia, kartódromo, lagos, quadras, pavilhões e brinquedos; aos 31 anos, o Parque da Cidade precisa é de mais churrasqueiras!

* Nome oficial: Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek. Nome original: Parque Recreativo Rogério Pithon Farias.

Leave a comment »

Perspectivas

Tudo menos issoÉ como dizia Lao Tsé: “nada está tão ruim que não possa piorar”. De forma que todas as mazelas de Brasília, vistas do ângulo certo, ou errado, podem se resumir, na verdade, a não mais que pequenos inconvenientes superampliados por um bocado de má vontade. Que o diga Aldo Paviani, professor de geografia da UnB, para quem “em 20 anos, Brasília será uma São Paulo“. Uma São Paulo.

Comments (2) »